Obesidade infantil: conheça suas causas e consequências e saiba como tratá-la

A obesidade infantil pode fazer com que a criança desenvolva doenças crônicas comuns apenas em pessoas com mais de 50 anos
A obesidade infantil pode fazer com que a criança desenvolva doenças crônicas comuns apenas em pessoas com mais de 50 anos
Michelle Lage

Consultor:

Michelle Lage

Michelle Lage (CRP 5/53128) é formada em Psicologia pela Universidade Federal Fluminense (UFF) e faz formação em terapia reichiana

Infelizmente, dados do Ministério da Saúde mostram que a obesidade infantil no Brasil vem crescendo. E se o excesso de peso já é um problema quando se trata de adultos, em relação às crianças ele é ainda mais perigoso, pois é justamente nos primeiros anos de vida que é mais importante se alimentar bem para crescer de forma saudável. O grande problema é que muitas vezes os pequenos são responsabilizados pelo aumento de peso, quando na verdade quem deve cuidar da sua dieta é um adulto responsável.

Causas da obesidade infantil

Não há apenas um fator que possa ser considerado o grande causador da obesidade infantil, pois se fosse assim seria mais fácil eliminar esse mal pela raiz. E embora muita gente associe apenas o consumo exacerbado de alimentos a esse problema, na verdade ele pode começar já no período da amamentação, como explica a nutricionista especialista em obesidade Sheila Basso.

"O tempo de aleitamento materno exclusivo (sem água, chá e/ou outro leite) está abaixo do recomendado no Brasil. Isso faz com que a alimentação complementar ocorra de forma precoce e incorreta, com a introdução de farinhas, açúcares e leite de vaca integral, antes do tempo", afirma.

Aliás, a família é grande responsável por fazer a criança comer de forma inadequada, já que os hábitos alimentares são adquiridos em casa. Portanto, se os pais comem apenas alimentos ultraprocessados e não consomem frutas, verduras e legumes dificilmente a criança irá adquirir gosto por orgânicos. Isso sem falar, claro, na prática de exercícios físicos, que permite que adultos e crianças não apenas percam peso como também tenham mais disposição e um sistema imunológico mais resistente a doenças. E se os pais não incentivam os filhos a praticar esportes eles provavelmente crescerão sedentários.

Mas essas razões não são as únicas que podem gerar a obesidade infantil, como lembra a psicóloga Michelle Lage. "Além de fatores que costumam entrar na discussão, como a genética, a educação nutricional e o incentivo à prática de exercícios físicos, outros que são deixados de lado devem ser considerados. Entre eles temos a educação emocional e psicológica da criança e dos pais e a sua situação socioeconômica e psicossocial", defende.

Consequências da obesidade infantil

O excesso de peso é considerado por muitos apenas um problema estético, mas ele nada mais é do que o reflexo de uma vida nada saudável. Só que muitas vezes os responsáveis pela criança ou pelo adolescente não percebem que deixá-lo ter uma vida sedentária e com uma alimentação pobre em vitaminas e minerais pode acarretar em problemas de saúde irreversíveis ainda na juventude.

"O principal dano da obesidade é o desenvolvimento precoce de doenças crônicas, como as doenças cardiovasculares, diabetes mellitus tipo 2, hipertensão arterial, dislipidemia e alterações hepáticas, doenças normalmente observadas em adultos a partir dos 50 ou 60 anos", diz Sheila Basso. "Além disso, o dano psicológico causado pelo excesso de peso pode trazer transtornos graves para crianças e adolescentes, como depressão, vergonha da autoimagem corporal, baixo nível de autoestima, não aceitação social e consequente isolamento social".

Diagnóstico deve ser preciso

Antes de tomar qualquer atitude é preciso saber se a criança realmente está obesa ou se apenas está acima do peso por ter um biotipo assim. O Índice de Massa Corporal (IMC) costuma ser aplicado para fazer um diagnóstico superficial, mas Sheila Basso ressalta que o utilizado por adultos não deve ser mesmo aplicado em crianças, pois o resultado apresentado não será compatível com a realidade. Para isso é preciso buscar dados fornecidos pelo Ministério da Saúde, que vão mostrar a curva do IMC e suas variações do início da vida até os 19 anos. De qualquer forma, caso exista a suspeita de que a criança não está dentro de seu peso normal é preciso em um primeiro momento consultar um pediatra para ter um diagnóstico mais preciso.

Compulsão pode ser a responsável pelo aumento de peso

É importante saber quais fatores levaram a criança a ficar com tanto peso. Afinal, muitas vezes o problema não é a alimentação que os responsáveis oferecem, mas sim a compulsão. E assim como ocorre com a obesidade infantil, suas causas são diversas, ainda mais porque muitas vezes ela é mascarada pelos próprios pais, como lembra a psicóloga Michelle Lage.

"Além da ingestão excessiva de alimentos, estados afetivos são aliados do comer compulsivo, como tristeza, vergonha, culpa, além de angústia acentuada. Outra observação que se faz é o desenvolvimento dessa patologia associada a famílias que apresentam algum tipo de transtorno afetivo, de personalidade ou de dependência de substâncias. Assim, não há apenas uma forma de tratar a compulsão alimentar infantil. O ideal é que isso seja feito por uma equipe multiprofissional composta por nutricionista, psicólogo e médico para que o problema seja olhado e analisado por diferentes ângulos", afirma.

Como tratar a obesidade infantil

Embora exista o fator psicológico, de uma forma geral a melhor forma de tratar a obesidade infantil é através da mudança de hábitos. E isso é algo que deve partir da família, que precisa incentivar a prática de exercícios físicos e passar a oferecer uma alimentação mais saudável para a criança. Mais do que isso: a dieta deve ser feita por todos os seus integrantes, pois assim a criança em questão se sentirá mais motivada a perder peso.

"Programas de tratamento de crianças obesas que incluem múltiplos membros da família têm mais sucesso a longo prazo que programas que incluem somente a restrição alimentar da criança obesa", diz Sheila Basso. A nutricionista também destaca que as mudanças devem ser estimuladas, e não impostas. "Proibir a ingestão e lanches, geralmente substitutos do jantar, pode ser uma atitude infrutífera. As propostas de educação nutricional, quando incluem atividades práticas, permite que as crianças e adolescentes estabeleçam contato com o alimento e se tornem responsáveis pelos seus hábitos", acrescenta.

Em resumo, é através das pequenas atitudes que as crianças obesas poderão perder peso. Sheila Basso afirma que a mudança de hábito começa no café da manhã, que deve conter cereais integrais sem a adição de açúcares. As refeições também devem ter legumes e verduras, e as frutas podem ser entregues como sobremesa. Refrigerantes e sucos industrializados precisam ser deixados de lado e dar lugar a água e a sucos naturais. Alimentos muito gordurosos ou doces devem sair da lista de compras da família, pois se ele não está na dispensa a criança não terá como comer. Aliás, até a festa infantil, feita para celebrar o aniversário dela, pode ser mais saudável.

Por fim, é preciso incentivá-la a ser mais ativa, seja brincando ao ar livre, andando de bicicleta, levando o cachorro para passear ou praticando algum esporte. Já atividades sedentárias, como ver TV, ficar no computador e jogar videogame devem ser desencorajadas. Mas se a família sair toda junta vai ser muito mais fácil convencer a criança a largar os eletrônicos e passar a se movimentar. "Como outros ambientes socialmente influentes, o núcleo familiar interage com os fatores genéticos e psicológicos que podem predispor à obesidade infantil. A família é responsável pela formação do comportamento alimentar da criança através de uma aprendizagem social, e é papel principalmente dela educar a criança neste sentido", afirma Michelle Lage.

*Sheila Basso (CRN 21.557) é nutricionista com especialização em Obesidade, Emagrecimento e Saúde pela pela Universidade Federal de São Paulo.

Últimas
Receitas
Ver Mais

Últimas Matérias

Tempeh: o que é e como consumir esse alimento livre de glúten

Tempeh: o que é e como consumir esse alimento livre de glúten Tempeh: o que é e como consumir esse alimento livre de glúten

Muito consumido em alguns países da Ásia, o tempeh (ou tempê) é uma comida originária da Indonésia que funciona como fonte importante de proteínas vegetais....

> Leia mais
Açúcar de beterraba é saudável? Saiba mais sobre esse adoçante natural

Açúcar de beterraba é saudável? Saiba mais sobre esse adoçante natural Açúcar de beterraba é saudável? Saiba mais sobre esse adoçante natural

Em vez de usar o açúcar refinado comum (extraído da cana), você pode recorrer a alternativas mais naturais e nutritivas de adoçantes. O açúcar de beterraba,...

> Leia mais
5 frutas com caroço que você pode comer integralmente

5 frutas com caroço que você pode comer integralmente 5 frutas com caroço que você pode comer integralmente

Na maioria das vezes, as pessoas têm o hábito de descartar os caroços (também chamados de sementes) das frutas, consumindo apenas a polpa. Mas você sabia que...

> Leia mais
Chá de guaco: como fazer e quais os nutrientes dessa planta medicinal

Chá de guaco: como fazer e quais os nutrientes dessa planta medicinal Chá de guaco: como fazer e quais os nutrientes dessa planta medicinal

Também conhecido como "erva de bruxa", o guaco é uma planta medicinal originária da América do Sul que se destaca, principalmente, por auxiliar no tratamento...

> Leia mais
Dieta alcalina é baseada no pH do corpo! Nutricionista explica se ela é indicada

Dieta alcalina é baseada no pH do corpo! Nutricionista explica se ela é indicada Dieta alcalina é baseada no pH do corpo! Nutricionista explica se ela é indicada

Você sabia que é possível diminuir a acidez do organismo através da alimentação? A dieta alcalina, para quem não conhece, propõe uma alimentação mais natural...

> Leia mais
Óleo de copaíba: para que serve? Seus benefícios e indicações de consumo

Óleo de copaíba: para que serve? Seus benefícios e indicações de consumo Óleo de copaíba: para que serve? Seus benefícios e indicações de consumo

Extraído a partir da árvore copaíba (ou pau-de-óleo), que é nativa da floresta Amazônica, o óleo de copaíba é conhecido por ter várias substâncias...

> Leia mais
Como fazer farinha de grão-de-bico, ingrediente usado em receitas celíacas

Como fazer farinha de grão-de-bico, ingrediente usado em receitas celíacas Como fazer farinha de grão-de-bico, ingrediente usado em receitas celíacas

Buscar ingredientes alternativos para dietas celíacas não é tão difícil quanto parece, sabia? A farinha de grão-de-bico, por exemplo, é uma opção livre de...

> Leia mais
Marmelo: fruta famosa por doce marmelada é rica em fibras! Veja mais nutrientes

Marmelo: fruta famosa por doce marmelada é rica em fibras! Veja mais nutrientes Marmelo: fruta famosa por doce marmelada é rica em fibras! Veja mais nutrientes

Muito consumida no estado de Minas Gerais, a marmelada é um doce de origem portuguesa que, além de saboroso, se destacar por ser rico em fibras, vitaminas A,...

> Leia mais
Está com potássio alto no sangue? Como baixar através da alimentação

Está com potássio alto no sangue? Como baixar através da alimentação Está com potássio alto no sangue? Como baixar através da alimentação

Você sabia que, quando consumido em excesso, o potássio pode ser muito prejudicial à saúde? A hipercaliemia (ou hiperpotassemia), para quem não conhece,...

> Leia mais
Bolo de banana com aveia fit: conheça opções para variar na receita

Bolo de banana com aveia fit: conheça opções para variar na receita Bolo de banana com aveia fit: conheça opções para variar na receita

Preparar sobremesas saudáveis e ao mesmo tempo saborosas não precisa ser algo difícil, sabia? Usando ingredientes mais naturais - como frutas, açúcar de coco...

> Leia mais